O Caminho do Arco

Padrão

art_camarcoTodos nós procuramos uma maneira de conduzir a vida, um caminho que sirva como referência para nossa jornada e é mais que evidente a existência de vários caminhos que podem ser seguidos. Nenhum deles é o mais correto; são apenas caminhos diferentes e o que vai definir a qualidade de cada um deles é a nossa postura perante ele.

Um desses caminhos é conhecido como “O Caminho do Arco” que nos oferece uma ótima metáfora para ser usada como referência.

No caminho do arco temos os aliados que são as pessoas que convivem conosco, que estão à nossa volta. O arqueiro compartilha alegria com eles, que se interessam pelo que está sendo realizado mas não necessariamente seguem o mesmo caminho. Podem estar seguindo caminhos diferentes, cheios de entusiasmo, pessoas comuns do dia-a-dia, que cometem erros e acertos, que se expõem e correm riscos, são pessoas simples, mas com essa postura são capazes de transformar o mundo. Sempre busque aliados!

Outro elemento é o arco e ele é a vida. O alvo está longe e a flecha um dia partirá, mas o arco sempre permanecerá. Precisamos saber cuidar dele; se o mantivermos sempre armado, em estado de tensão, ele certamente perderá potência, portanto, é necessário proporcionar ao arco períodos de repouso. Dessa forma ao esticarmos sua corda ele estará com sua força intacta. Ele tem flexibilidade e também tem o seu limite; se nós o esticarmos demais acabaremos por quebrá-lo e se o esticarmos pouco a flecha não terá força e velocidade suficiente para atingir o alvo. Lembre-se também que o arco é uma extensão de nós e não tem consciência, serve tanto para meditar como para matar, então, seja sempre claro em suas intenções.

A flecha representa nosso desejo e este deve ser reto e cristalino, pois uma vez lançada não há como pará-la. Seja onde for que a miremos, ela irá naquela direção e terá suas consequências. Estar em contato com a flecha é estar em contato com nosso intento. Ela parece frágil, leve, simples, mas com a nossa força será lançada à distância, levando nossa intenção, que parte em direção ao alvo, livre em seu voo e seguirá o caminho que lhe foi destinado no momento do tiro.

Muitas vezes é melhor não atirar só porque o arco já está armado e o alvo está à nossa frente, mas temos que tomar o cuidado para não ir ao outro extremo e não atirarmos nunca, pois os tiros errados também trazem seu aprendizado; com a experiência aprendemos a corrigir nossa mira e crescemos no caminho, realizando o que buscamos.

E por falar no que buscamos, esse é nosso objetivo, o alvo a ser atingido. Que independente do tamanho ou da forma, se está à direita ou à esquerda, no alto ou bem perto do chão, foi uma escolha nossa e devemos enfrentá-lo com dignidade; saber respeitá-lo, saber quanto custa atingi-lo, o esforço empenhado, o treinamento e tudo o mais envolvido, e jamais podemos culpá-lo se não o atingirmos.

Ao buscarmos um alvo devemos saber que ele não é a única coisa a interferir em nosso acerto. Temos que estar atentos a tudo que ocorre em volta, os chamados fatores externos, como o vento e a distância que influenciam diretamente em nosso acerto.

Ao realizarmos algo em nossa vida, todos estão a nos observar, aliados e adversários; observam nossos movimentos e não temos como escapar aos julgamentos e, portanto, se estivermos nervosos o melhor a fazer é respirar fundo e nos concentrarmos na nossa atividade.

O nosso caminho é a junção de todas essas coisas e devemos ter respeito com todas elas. O alvo só existe em função do arqueiro que o objetiva, os aliados e inimigos se relacionam diretamente, dando ajuda, apoiando e também apontando nossos erros, nos obrigando a crescer. Devemos interagir com os elementos que formam todo o contexto do nosso caminho aproveitando para aprender as lições que o caminho nos proporciona em todas as suas nuances.

Paz e Luz

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *