Humanismo x Bairrismo

Humanismo x Bairrismo

Começamos o ano de 2019 com uma série de notícias tristes, umas de ordem natural e outras por algum nível de negligência. Entre elas podemos citar:

As enchentes no Rio de Janeiro que provocaram uma enormidade de perdas, tanto materiais como emocionais para aquela população. Uma grande quantidade de chuva, escoamento deficitário, entre tantos outros motivos impuseram essa situação àqueles moradores.

Outro grande desastre foi o rompimento da represa de Brumadinho. Seja negligência dos responsáveis pela barreira ou não, fenômeno meteorológico, casualidade, ou qualquer outro motivo, o fato é que muitas casas, famílias, pessoas, sofreram diretamente todas as consequências dessa destruição.

Numa abrangência menor em quantidade de afetados, mas não menos triste, tivemos a morte de vários meninos da base do Flamengo, que estavam batalhando pelo sonho de se tornarem jogadores de futebol, algo tão desejado por muitos jovens em nosso país, sendo visto inclusive como alternativa para ter uma vida melhor para si e para seus familiares.
Ainda na esteira das noticias tristes, podemos citar o acidente de helicóptero envolvendo o jornalista Ricardo Boechat, que se deslocava entre seus compromissos e algum problema levou à queda do equipamento que o transportava e isso acarretou sua morte e do piloto.

Por último, quero citar o recente falecimento do neto do ex-presidente Lula, uma criança de apenas sete anos que teve sua vida ceifada por uma doença, e esse acontecimento com certeza gera grande tristeza, principalmente aos seus pais, avós, familiares e amigos mais próximos, sendo eles famosos ou não.

Todas essas notícias por si só já geram grande tristeza, mas aqui quero abordar algo que chega a ser digno de pena, para não dizer algo pior, pois além de ser uma atitude lastimável evidencia claramente o quão pequeno pode ser o humano.

No caso do Boechat, ele criticou duramente certo líder religioso e ditos religiosos desse seguimento comemoraram a morte do jornalista, dizendo que isso foi por ele ousar ter enfrentado o líder do grupo. A situação é tão bizarra que deixa mais que claro que esses ditos religiosos não fazem a menor ideia de qual é a razão de uma religião, do amor ao próximo, entre outras coisas. Chegou ao ponto de o próprio líder se posicionar contra aqueles que falaram tais absurdos. Parece-me que este líder religioso tem muito trabalho pela frente e precisa se esmerar mais em orientar os fieis do seu grupo.

Observando os fatos do caso envolvendo os meninos do Flamengo, foram adolescentes mortos em um incêndio e observamos torcedores de outros clubes festejando ou caçoando a dor de pais, mães, familiares e amigos que perderam de maneira tão precoce a convivência com esses jovens que lutavam pelo seu futuro só porque jogavam por outro time.

Se olharmos o caso mais recente destas tragédias, por divergência partidária, pessoas não tiveram a menor sensibilidade, ou noção de humanidade para apontar que o ex-presidente estava pagando por seus erros com a morte do neto, neste momento havia a dor de uma família, pais e avós, que sentiram uma vida de apenas sete anos se perder de maneira tão precoce, e adversários nos valores políticos, se é que podemos chamar essas pessoas de adversários, apontavam o dedo acusando sem respeitar a dor da perda desta vida.

Esses exemplos citados evidenciam que em nome de um dito “bairrismo”, seja ele futebolístico, partidário, religioso ou de qualquer outro seguimento faz com que as pessoas mostrem seu lado mais sombrio e cruel, deixando claro o quanto são pequenas em relação ao humanismo e o quanto elas precisam caminhar.

Espero sinceramente que esses exemplos tão grotescos do pior lado do ser humano possam servir de exemplo do que não deve ser feito e que cada um de nós possa usar esses exemplos tão tristes para nos tomarmos melhores.

Paz e Luz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *