Percebendo, de verdade, o dia a dia

Percebendo dia a dia

Sempre que assisto seriados, filmes, minisséries ou qualquer outro tipo de ficção televisiva, isso sem entrar no mérito das ficções lidas, acabo me imaginando no papel de um ou mais dos personagens e tento sentir o que é viver aquela experiência, os desafios, as conquistas, as dificuldades, os dilemas entre tantas outras coisas, claro que mentalmente, mas como a neurociência explica, nosso cérebro não diferencia a imaginação da realidade*. Sempre fiz isso como um exercício para enriquecer minhas sensações e também ampliar meus pontos de vista, afinal, ficar em realidades diferentes com premissas e situações diferentes, sempre nos faz observar outros pontos de vista e consequentemente abrimos nossa perspectiva das coisas.

Recentemente, assistindo um filme e “brincando” com essas perspectivas, virei essa percepção para minha realidade, meio que de maneira automática, como um click ou como mais comumente conhecemos, como um insight. Minha realidade pulou na minha frente como um filme. No momento, estou afastado do trabalho em função de um problema de saúde delicado, que trouxe uma série de complicações, entre elas ter que reaprender a andar. Vivi o processo inverso do que normalmente faço, em vez de trazer o filme para minha realidade mental, levei minha realidade para um “filme mental”.

O que mais me chamou atenção neste processo foi a maneira como vivemos o dia a dia, como muitas vezes ele acontece “no automático”, na rotina, sem aquela dedicação que deve existir aos detalhes do aqui e agora e com isso várias questões importantes acabam passando despercebido e por vezes perdemos a grande riqueza de sermos nós.

Quantos de nós não sonhou com uma vida diferente, com profissões diferentes, com condições diferentes das que vivemos hoje? E isso não é errado nem um problema, sonhar, planejar, desejar as coisas faz parte da natureza humana e também nos dá objetivos a conquistar, claro que as conquistas exigem dedicação, preparo e atitude, mas essa é outra questão. Até aqui tudo bem, mas e a valorização do que temos, do que vivemos, do que aprendemos, do quanto realmente olhamos e somos gratos pelo nosso caminho?

Sugiro aos amigos um pequeno exercício: mentalmente pegue sua vida, em todos os âmbitos e detalhes, e pense nela como um filme, uma minissérie ou um livro e, a partir disso, olhe para a história como um expectador. Esse pequeno, mas poderoso, exercício permitirá que você perceba o quão rica é sua vida, envolvendo dramas, dificuldades, derrotas, mas também alegrias, amores, festas, amizades, superações e conquistas, tudo com uma infinidade de detalhes.

Às vezes, achamos que nossa vida é comum e monótona, mas se conseguirmos observar esses pontos veremos que cada um de nós tem uma experiência única, com grande aprendizado, que nos faz amadurecer e também acaba sempre servindo de exemplo para outros que tem o privilégio de observa-la de perto.

O que fazer com essa experiência, como agir perante cada situação, qual caminho seguir? Essas são apenas algumas dentre outras diversas decisões da interatividade desta maravilha que chamamos de vida.

Esteja consciente, lúcido, atento e viva intensamente o seu caminho.
Escolha o seu caminho!

Paz e luz!

*Para exemplificar como seu cérebro não diferencia realidade de imaginação, sugiro o seguinte exercício.
Feche os olhos e imagine um limão, sinta seu cheiro e sua textura, corte o limão ao meio e sinta as gotas que espirram durante o corte, o aroma que sobe, pegue uma das metades cortadas, aproxime-a de seu nariz e sinto o aroma peculiar, agora dê uma mordida no limão. Sua boca aguou? Mas o limão não estava lá. Isso é seu cérebro trabalhando como se o limão estivesse ali, mesmo ele não estando, pois o cérebro não consegue diferenciar realidade de imaginação.

2 thoughts on “Percebendo, de verdade, o dia a dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *